Cadaval       » Voltar «

Brasão de Cadaval
Brasão
Bandeira de Cadaval
Bandeira

O Cadaval é um Concelho do Distrito de Lisboa, região Centro e sub-região do Oeste, com cerca de 14500 habitantes, subdividido em 10 freguesias. - Alguber, Cadaval, Cercal, Figueiros, Lamas, Painho, Peral, Pêro Moniz, Vermelha e Vilar - e dezenas de lugares, ocupando uma área total de 174 Km2, sendo a sua área maioritariamente ocupada pela actividade agrícola.

Este Concelho tem uma imagem marcadamente rural, possuindo mais de 1.700 explorações agrícolas (de acordo com o Recenseamento Geral da Agricultura de 1999) ligadas, sobretudo, às actividades vitivinícola e frutícola.
De referir que 93 % dessas explorações pertencem a produtores singulares autónomos, ocupando uma área média de 4 hectares por exploração.

Os seus vinhos e aguardentes foram já distinguidos com vários prémios, incluindo no estrangeiro, sendo, também, um dos principais exportadores nacionais de fruta, especialmente da denominada “Pêra Rocha”.
Com uma densidade populacional é de 80 habitantes por Km2, representando, em termos de densidade, o segundo valor mais baixo da sub-região Oeste.

O Cadaval trata-se de uma área bem conservada, quer em termos agrícolas, quer em termos ambientais. A sua ruralidade (assente, sobretudo na vitivinicultura e fruticultura) faz do Cadaval um agradável concelho para residir.

O município é limitado a norte pelo município de Caldas da Rainha, a leste por Rio Maior e pela Azambuja, a sul por Alenquer, a sudoeste por Torres Vedras, a oeste pela Lourinhã e a noroeste pelo Bombarral.

Cadaval.jpg
Igreja de Cadaval
Historia
O Concelho do Cadaval é uma região onde os vestígios da presença humana remontam à pré-história. Na Serra de Montejunto, em Pragança, foram localizadas grutas que terão servido de habitação durante o período neolítico.
A vila de Cadaval propriamente dita, que foi habitada pelos árabes durante a sua permanência na Península, recebeu foral em 1371, concedido pelo rei D. Fernando, beneficiando ainda da reforma administrativa empreendida por D. Manuel que, em 1513, lhe outorgou novos privilégios.
D. João IV, ao, consumar a independência de Portugal relativamente à Espanha, fê-la cabeça de ducado, dando assim nascimento a uma das mais sólidas casas nobres do país. Mesmo assim, em 1895, a vila perde as prerrogativas de sede do concelho, que readquire no entanto três anos depois, a 13 de Janeiro, data que por este facto se transformará no Feriado Municipal.
Artesanato:
Trabalhos em cerâmica, cestaria e tanuaria.

Gastronomia:
A gastronomia da região é bastante rica e variada, o famoso pão-de-ló do Painho, o doce das "vindimas" o Bolo de Ferradura e o mel de Montejunto. Saboreie igualmente a pêra rocha da região, com as suas caracteristicas exclusivamente nacionais, Borrego assado e Cozido à Portuguesa.

Tempos Livres:
Asa delta, passeios de montanha, espeleologia, romaria anual de Nossa Senhora das Neves (5 de Agosto).

Turismo:
Serra de Montejunto

No extremo Norte do distrito de Lisboa, localizada no extremo Sul do Concelho do Cadaval e a norte do Concelho de Alenquer, ergue-se majestosa e deslumbrante a Serra de Montejunto.
Apenas 65 km a separam da capital, a distância que facilmente se percorre utilizando a A8. Pode obtar-se também, pela A1 saíndo em Aveiras de Cima sempre na direcção do Cadaval. Ao chegar a Serra de Montejunto encontrará um local tranquilo, ideal para escapar à cidade e com muito para descobrir.
Situada na sequência do alinhamento montanhoso do maciço calcário da Estremadura, a Serra de Montejunto oferece um curioso contraste paisagístico e climatérico. A Norte, envoltas do azul do mar, as Berlengas e o sítio da Nazaré, a Sul o cinza das cristas da Serra de Sintra e para Este os verdes das Lezírias do Tejo e dos "Olivais de Santarém".
Não deixe de visitar o Miradouro da Cruz Salvé Rainha, onde os monóculos e leitores de paisagem lhe permitirão conhecer melhor esta Serra. A Serra de Montejunto é o miradouro natural mais alto da Estremadura, elevando-se a 666 Metros de altura acima do nível médio do mar. Esta estrutura geológica, com 15 kms de comprimento e 7 kms de largura, é rica em algares, grutas, lagoas residuais, necrópoles e fósseis pré-históricos.
Suba ao cume da Serra de Montejunto e desfrute da imensidão e beleza desta "varanda da Estremadura", área protegida de âmbito regional.
Monumentos, a Real Fábrica de Gelo na Serra de Montejunto (séc. XVIII), alojamento hoteleiro, restaurantes e bares.

Economia
Tradicionalmente, a estrutura do concelho sempre teve por base o sector primário,
Esta realidade tem vindo a alterar-se ao longo das últimas décadas e hoje a importância relativa dos três sectores de actividade económica é mais homogénea, se bem que ainda se verifique uma forte preponderância do sector agrícola.
Os sectores secundário e terciário tiveram um crescimento considerável, no entanto, o peso relativo destes dois sectores ficou ainda longe das médias calculadas para o distrito, bem como para o país.

Percursos Pedestres

Trilho da Quinta da Serra
Trilho da Penha do Meio Dia
Trilho do Cercal
Trilho do Moinho do Céu
Trilho do Sul ou dos SSS

 

Igrejas - Alguber

 

 

 Capela da Santo António

 

Descrição:
Situado na Gouxaria, é um pequeno templo com alpendre na fachada e cúpula na capela-mor, construído provavelmente do século XVII e reconstruído no século XX.

 

 

 

 

 

http://www.cm-cadaval.pt/custompages/_img/cad_pontilhado_hor.gif

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Igreja de Nossa Senhora das Candeias

 

http://www.cm-cadaval.pt/_uploads/patrimonio/igrejas/alg02p.jpg

Descrição:
É a Igreja de Alguber. Foi fundada em meados do século XVI, reconstruída no final do século XVII e remodelada no final do século XIX. Nela se destaca o retábulo barroco na capela-mor.

 

 

 

 

 

http://www.cm-cadaval.pt/custompages/_img/cad_pontilhado_hor.gif

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Igreja do Espirito Santo

 

http://www.cm-cadaval.pt/_uploads/patrimonio/igrejas/alg03p.jpg

Descrição:
Situada em Alguber, foi fundada em meados do século XVI e remodelada em meados do século XVII. Destacam-se nesta igreja o retábulo da capela-mor, do final do século XVIII, e o retábulo da Capela das Almas, de final do século XVI / início do século XVII.

 

 

 

Enquadramento Geográfico

O concelho tem uma superfície de 174.17Km2, sendo constituído por dez freguesias.
A área ocupada por cada freguesia na área total do concelho encontra-se distribuído de um modo equitativo. A maioria das freguesias ocupa entre 7% e 20% da área total. A maior é Lamas, com uma área de 37,47 Km2, o que representa cerca de 22% da área do concelho. Seguem-se-lhe, respectivamente com 25,53 Km2 e com 20,32 Km2, as freguesias de Pêro Moniz e Cercal. Entre os 20 Km2 e os 10 Km2 de área, temos as freguesias de Alguber, com 19,19 Km2, Vilar, com 16,85 Km2, Peral, com 16,39 Km2 , Cadaval, com 12,69 Km2, e Vermelha com 11,92 Km2 . Finalmente, abaixo dos 10 Km2 contam-se apenas duas freguesias, tendo a segunda sido criada apenas no início do século, e a partir da desanexação da primeira: Figueiros com 5,11 Km2, e Painho com 8,70 Km2. 
zz

 

 

 Copyright © 2012 • Direitos Reservados • Desenvolvido por: Lisboanet.com